Parceria voluntária reforça combate ao Aedes Aegypti na Capital

Por Jean 05/04/2019 - 11:24 hs


Para combater a epidemia causada pelo Aedes Aegypti, o vetor que causa três tipos de doenças causadas por vírus: a dengue, a chikungunya e a zika ( causadora da Microcefalia), as oito unidades do Serviço Social do Comércio (Sesc-MS) de Campo Grande passam a fazer parte do programa “Integrado Intersetorial de Colaborador Voluntário”, que tem por objetivo envolver e capacitar os funcionários para atuarem dentro das instituições como agentes fiscalizadores visando o controle e combate do mosquito.

Na quinta-feira (04), o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, participou da adesão e entrega simbólica do “manual do colaborador”, no auditório da sede central da instituição.  Ao todo, serão capacitados 11 funcionários do Sesc-MS, que irão atuar como colaboradores voluntários nas oito unidades. O prefeito Marquinhos Trad reforçou a necessidade de união e a participação da iniciativa privada em projetos como este a fim de potencializar e dar suporte as ações.

Desafios

 “Hoje, os levantamentos nos mostram que 80% dos focos do Aedes (aegypti) estão dentro das casas. Portanto, é preciso que a população tenham a consciência de que se não agir inevitavelmente em algum momento um familiar ou até mesma própria pessoa poderá ser acometida com alguma doença. Nós não temos como saber qual mosquito estará infectado, mas podemos tomar algumas medidas simples como  vistoriar os quintais,  caixa d’agua, vasos de plantas e eliminar os depósitos de água”, ponderou Veruska Lahdo, que é superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SESAU).

Colaborador Voluntário

Lançado  em março do ano passado, como estratégia no combate ao mosquito Aedes aegypti, o programa “Integrado Intersetorial de Colaborador Voluntário” ganhou maior notoriedade a partir da publicação do decreto nº13.766 de 23 de janeiro de 2019, assinado pelo prefeito Marquinhos Trad. Ela institui oficialmente o programa, o tornando referência como ferramenta de cooperação, ao congregar esforços no controle da proliferação do mosquito no âmbito interinstitucional. A previsão é ampliar o programa com a adesão de novos parceiros.

Em 2018, foram realizadas 180 adesões (implantações) do programa em órgãos e instituições públicas. Para este ano a previsão é ultrapassar esta marca, com processo já iniciado na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Polícia Militar (15 unidades), Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS), CEINF’s -Centros de Educação Infantil (101 unidades), Águas Guariroba (8 unidades), SESC (8 unidades) e Senac (3 unidades).“A proposta foi criada para levar  tanto à instituições públicas como as privadas essa preocupação onde o colaborador voluntário recebe capacitação e treinamentos para o combate do mosquito Aedes aegypti, sendo todo o aparato técnico e operacional oferecido por nós”, diz.

Desde a implantação do programa, a equipe de gerenciamento técnico do programa no município tem realizado capacitações técnicas com os servidores das instituições que fizeram adesão, a fim de implanta-lo, e buscar multiplicadores no controle de vetores em Campo Grande.

Entre os colaboradores estão o Comando Metropolitano do Corpo de Bombeiros e seus 09 batalhões, a Funesp juntamente com seus parques e praças espalhados por Campo Grande, o 15° Batalhão da Policia Militar Ambiental e a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) onde 100% dos Colégios Municipais tanto em perímetro urbano quanto nas zonas rurais aderiram.

Selo Instituição Parceira da Saúde

O programa consiste ainda em premiar as empresas que se mantiverem, por um período de seis meses, livres do risco de proliferação do Aedes aegypti. Elas vão receber o Selo “Instituição Parceira da Saúde”.

Com informações CGNotícias